terça-feira, 17 de junho de 2014

Imortalidade da alma: da crença à convicção

Pintura “Ressurreição de Cristo” de Raffaello Sanzio
A imortalidade da alma é o ponto de partida do Espiritismo1, pois é nela que está fundamentada toda a sua ciência e filosofia. Assim, a Doutrina dos Espíritos responde às seguintes indagações: a sobrevivência da alma à morte corporal é uma realidade ou uma falácia? Existem provas materiais de tal fato? Quais são elas? Ou a sobrevivência da alma é um artigo de fé que não pode ser questionado? A religião, em especial o Cristianismo, também tem como pedra angular a crença na imortalidade da alma. Portanto, o que de novo o Espiritismo nos traz uma vez que o Cristianismo, que é milenar, já professava tal dogma muito antes da revelação espírita que só tem um pouco mais de 150 anos?
O Cristianismo está fundamentado nos livros sagrados do novo testamento, que relatam o nascimento, vida, pregação, curas, milagres e morte de Jesus Cristo. Os quatro livros dos Evangelhos atribuídos a Mateus, Marcos, Lucas e João narram com detalhes a morte e ressurreição do Cristo.
De forma sucinta, as escrituras revelam que Jesus morreu crucificado e três dias depois apareceu e conversou com seus discípulos, dando provas da sua ressurreição, ou seja, da sua imortalidade. Para o cristão, a ressurreição de Jesus é o pilar que sustenta a sua religião. Veja abaixo o que o Padre Fábio de Melo tem a dizer a esse respeito.     
“O que me instiga em tudo isso é a falta de provas para o fato. O sepulcro estava aberto, vazio. Mas isso não era o suficiente para que a ressurreição fosse proclamada. Alguém poderia ter roubado o corpo. Não faltariam incrédulos para essa suspeita.”
“A certeza da ressurreição não consiste em provas materiais para o fato. A imposição dessa verdade não passa pela materialidade do mundo, nem tampouco pode ser explicada através das claras regras que foram postuladas por nossa razão cartesiana.”2
Fica claro que a ressurreição de Jesus para o cristão não passa pelo crivo da ciência e nem da razão. É um artigo de fé.
O Espiritismo nasceu num momento de incredulidade da Humanidade. O século XIX foi tomado por filosofias que afastaram o homem da religião. O Materialismo e o Positivismo colocaram em xeque todos os dogmas religiosos, entre eles, o da imortalidade da alma e da própria existência de Deus. Essas filosofias causaram grande impacto sobre a Humanidade, pois empurraram o homem para a satisfação plena dos gozos terrenos, sem se importar com próximo, pois se não há provas materiais da imortalidade da alma, logo ela não existe. Portanto, deve-se aproveitar ao máximo o tempo que resta em vida, pois o que importa é o agora.
Contrariando esse movimento, o Espiritismo, fundamentado no próprio Positivismo, vem mostrar que a imortalidade é fato demonstrável pela razão e pela ciência. Este processo foi iniciado pelos fenômenos das mesas girantes, que tomaram conta dos salões europeus em meados do séc. XIX, entretendo a sociedade da época. No entanto, descobriu-se que por trás daquela brincadeira inocente existia uma das potências da Natureza a interferir, de forma oculta, incessantemente sobre nós: os Espíritos, pois “são os seres inteligentes da Criação. Povoam o Universo, fora do mundo material.”.3
A demonstração da imortalidade da alma passa pelo estudo sério, perseverante e regular da natureza dos Espíritos. Este ensino, que veio dos próprios Espíritos, nos possibilita esclarecer de que maneira eles podem intervir sobre a matéria inerte e orgânica. Os fenômenos espíritas de efeitos físicos, como as mesas girantes, e inteligentes, como pela fala e escrita, passam pela existência do médium, pessoa dotada de uma faculdade especial. Ele é o intermediário entre nós e os Espíritos. Portanto, faz-se necessário também que se estude a sua faculdade, que chamamos de mediunidade.
Diferente do que supõem muitos opositores do Espiritismo, ele não veio para condenar ou destruir a religião, mas ao contrário, veio dar-lhe amparo e sustentação, pois demonstra a possibilidade e realidade de muitos dos seus dogmas. Veja o que Kardec diz a esse respeito:
“...o Espiritismo repousa sobre as bases fundamentais da religião e respeita todas as crenças; que um de seus efeitos é incutir sentimentos religiosos nos que os não possuem, fortalecê-los nos que os tenham vacilantes.”4 
A imortalidade da alma é um dos dogmas da Igreja sobre o qual o Espiritismo repousa. Não podemos deixar de citar naturalmente, que a moral de Jesus de Nazaré está em consonância com o ensino dos Espíritos Superiores, ou seja, o Espiritismo ratifica a necessidade da transformação moral do homem que Jesus nos convidou a fazer.
Foram estes os motivos que levaram Kardec a chamar os espíritas de adeptos do Espiritismo5, e não crentes. O adepto é aquele aderiu a uma filosofia, pois a compreendeu, ou seja, está convencido das suas ideias pelo uso da razão. Por isso, ele sentenciou: “O Espiritismo é o resultado de uma convicção pessoal...”6. Portanto, continuemos a estudar a Doutrina espírita de forma séria e continuada, pois ela não pode ser aprendida de um dia para o outro, para nos convencer que somos Espíritos imortais, e que este ensino nos alavanque definitivamente a nos tornarmos mulheres e homens de bem.        
 Por João Viegas 
         Referências bibliográficas 
1. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns. Tradução de Guillon Ribeiro. 64ª ed. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, item 19. 
2. Melo, Fábio de. Ressurreição, tempo de misericórdia. Site: http://www.fabiodemelo.com.br/ de 24/04. 
3. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 74ª ed. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, pergunta nº 76. 
4. KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns. Tradução de Guillon Ribeiro. 64ª ed. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, item 24. 
5. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 74ª ed. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, Introdução. Item I.
6. KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 74ª ed. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, Introdução. Item VII. 


Deixe aqui seu comentário. Faça sua crítica, elogio e/ou sugestão. Este é um ambiente para debatermos sobre o Espiritismo. Portanto, esteja à vontade para questionar e/ou tirar dúvidas.
Se desejar orientações de como proceder para postar um comentário, clique no link abaixo:

9 comentários:

  1. João, muito relevante discutirmos esse assunto. As religiões são criticadas e mts vezes acusadas de serem fruto da imaginação coletiva que sente necessidade de um alento às aparentes injustiças vivenciadas; Kardec, como estudioso e seguindo a lógica positivista traz um novo conhecimento, novo não por nunca ter sido testemunhado, mas pela forma de organização e análise a que foi exposto, assim, é mais facilmente compreendida a mediunidade e como consequência a imortalidade do espírito. Obrigada mais uma vez João por estimular nossos estudos. =) Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Saudações minha amiga Vinícia!
    Não há o que agradecer, pois faço este trabalho com o maior prazer. Estou muito feliz em poder contribuir na divulgação da Doutrina dos Espíritos e sua participação neste blog mostra que é possível abrir um debate sobre ela, pois este é também um dos objetivos deste blog. Muito obrigado!
    Quando Kardec diz que "O Espiritismo ... respeita todas as crenças" é uma recomendação clara dele sobre qual deve ser a postura do espírita em relação a todos os religiosos. Devemos evitar o bate-boca, as discussões inflamadas com amigos, colegas e/ou conhecidos que professam crenças religiosas das quais não concordamos. Esta postura é uma desperdício de energia e tempo, além de criar inimizades desnecessárias. Portanto, é falta de caridade agredir a religião. Se quisermos falar de alguma religião ou de alguém, vamos enfatizar aquilo que ela tem de bom. E se quisermos fazer uma crítica, façamos com muitas reservas e sempre com fim útil, ou seja, façamos críticas construtivas.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá, João.
    Como sempre, muito lúcido em suas colocações.
    O padre Fábio de Melo se posiciona em relação à materialidade do corpo de Jesus, e não de seu espírito, quiçá por isso diga que o tratamento dado a essa questão não é de natureza material; o Espiritismo, por seu turno, (corrija-me se eu estiver enganado) não lança mão em defesa da ressurreição da alma, e argumentar de forma "cartesiana" a favor da ressurreição seria/é algo bem difícil, diria que quase impossível. O próprio padre diz que é " a imposição [de uma] verdade".
    Portanto e por isso, o Espiritismo lança mão do conceito de reencarnação, a meu ver, para poder alinhar os princípios doutrinários à ciência e filosofia.
    É isso João!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações meu amigo Tiago!
      Agradeço pelas palavras e por sua participação no blog!
      Este foi um dos motivos que me levou a postar a pintura "Ressurreição de Cristo" do renascentista italiano Rafaello Sanzio. Ela evidencia como é a crença cristã da ressurreição de Jesus. A sua tumba está aberta e vazia e o corpo que foi dilacerado pelos castigos efetuados pelos soldados romanos, pela coroa de espinhos e pela própria cruz que carregou foi milagrosamente regenerado, ficou novinho em folha.
      O equívoco religioso acerca da ressurreição está exatamente nesta questão, supondo que o próprio corpo que pereceu será transformado numa matéria incorruptível, ou seja, em algo puro, perfeito, imutável.
      Esta questão já foi resolvida pela Biologia, quando ela explica o que exatamente ocorre com todas as células do corpo moribundo. A decomposição do corpo está de acordo com a Lei de Lavoisier, posta de forma mais abrangente na lei natural de Destruição, descrita em “O Livro dos Espíritos”. Todo o corpo passa por uma transformação, sendo sua matéria reutilizada pela própria natureza para atender a outros fins.
      O homem ignorando a existência e propriedades do períspirito, porém com a intuição da imortalidade da alma, mas sem compreender como se dá tal fato, julgou equivocadamente que o corpo do ressuscitado é de carne e osso (matéria incorruptível), justificando com caráter milagroso a ressurreição.
      O Espiritismo é revelado para mostrar ao homem que a ciência não se contrapõe às leis de Deus, pelo contrário, a ciência mostra toda sua sabedoria e inteligência revelando as leis da matéria, e que a imortalidade da alma deve ser encarada como um fato natural, que também está em conformidade com as leis espirituais.
      Espero ter respondido às suas indagações.
      Um grande abraço!

      Excluir
  4. João, à propósito, acho que daria uma bela postagem se você fizesse uma explanação da teoria da reencarnação, argumentando o porquê da ideia de reencarnação ser X e não Y, como o é em algumas religiões. Bom, sugestionei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações meu amigo Tiago!
      Sua sugestão é muito bem-vinda e será tema de artigos futuros à medida que evoluirmos com os nossos estudos.
      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Parabéns meu amigo Viegas! O esclarecimento de assuntos que despertam o questionamento em nós, tal como a ressurreição, nos ajudam nessa longa jornada da evolução do espírito! Mais uma porta que se abre rumo ao conhecimento da doutrina. Abraço fraterno!

    ResponderExcluir
  6. Saudações meu amigo Ítalo!
    Muito obrigado pela sua força e incentivo. Um dos objetivos deste artigo é abrir um debate sobre um tema muito controverso que é a ressurreição, que na ótica espírita chama-se imortalidade da alma.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir